quinta-feira, dezembro 10, 2009

Manifestos de 1953 e 1962

 DIRIA: TOTALMENTE NADISTA


By John Cage for Rauschenberg's White Paintings:
"To whom, No subject, No image, No taste, No object, No beauty, No
talent, No technique (no why), No idea, No intention, No art, No
feeling, No black, No white no (and). After careful consideration I
have come to the conclusion that there is nothing in these paintings
that could not be changed, that they can be seen in any light and are
not destroyed by the action of shadows. Hallelujah! the blind can see
again; the water is fine."


And then Ad Reinhardt's manifesto for his own "Art as Art" principle:
"No lines or imaginings, no shapes or composings or representings, no
visions or sensations or impulses, no symbols or signs or impastos, no
decoratings or colorings or picturings, no pleasures or pains, no accidents
or ready-mades, no things, no ideas, no relations, no attributes,
no qualities-nothing that is not of the essence."


Delicadamente e explicitamente furtado do super texto de Benjamin Buchloh, "A arte conceitual  de 1962 a 1969". (tem em inglês, direto da revista October e em espanhol, na internet)

domingo, julho 19, 2009

do livro viva vaia - augusto de campos

“Pós-tudo”: “QUIS / MUDAR TUDO / MUDEI TUDO / ÁGORAPÓSTUDO / EXTUDO / MUDO”

terça-feira, julho 14, 2009

CRELAZER HÉLIO OITICICA

Clique para ampliar ou vá até
http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia/ho/index.cfm?fuseaction=documentos&cod=352&tipo=2

quinta-feira, maio 07, 2009

quando o papo nadista me incomoda...



Epicurismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Epicurismo é o sistema filosófico ensinado por Epicuro de Samos, filósofo ateniense do século IV a.C., e seguído depois por outros filósofos, chamados epicuristas.

Epicuro propunha uma vida de contínuo prazer como chave para a felicidade, esse era o objetivo de seus ensinamentos morais. Para Epicuro, a presença do prazer era sinônimo de ausência de dor, ou de qualquer tipo de aflição: a fome, a abstenção sexual, o aborrecimento, etc.

A finalidade da filosofia de Epicuro não era teórica, mas sim bastante prática. Buscava sobretudo encontrar o sossego necessário para uma vida feliz e aprazível, na qual os temores perante o destino, os deuses ou a morte estavam definitivamente eliminados. Para isso fundamentava-se em uma teoria do conhecimento empirista, em uma física atomista e em uma ética hedonista.

No antigo mundo da zona Mediterrânea, a filosofia epicurista conquistou grande número de seguidores. Foi uma escola de pensamento muito proeminente por um período de sete séculos depois da morte do fundador. Posteriormente, quase relegou-se ao esquecimento devido ao início da Idade Média, período em que se perderam a maioria dos escritos deste filósofo grego.

A idéia que Epicuro tinha, era que para ser feliz o homem necessitava de três coisas: Liberdade, Amizade e Tempo para meditar. Essa filosofia é o que rege muitas empresas de marketing e propaganda, em vez de vender o produto ela vende uma destas três opções associadas ao produto. Na Grécia antiga existia uma cidade na qual, em um muro na frente de um mercado, tinha escrito toda a filosofia da felicidade de Epicuro, procurando conscientizar as pessoas que comprar não as tornaria mais felizes como elas acreditavam.



http://www.lojadobanho.pt/gca/?id=49

O Epicurista


Epicurismo: É o sistema filosófico ensinado por Epicuro de Samos.

Filósofo Ateniense do sec. IV AC e seguido depois por outros filósofos, chamados Epicuristas.

A ideia que Epicuro tinha era que para se ser feliz o Homem necessita de três coisas:
  • Liberdade
  • Amizade
  • Tempo para Meditar

PARCEIROS



Attitude Interior Design

Bairro Alto Hotel
Em nome da Rosa
Essential Lisboa

Established & Sons


Evasões

Homedivision


Moet&Chandon
Musaworklab

ParQ


Vício do Sofá





BRANDS




Absolument Absinthe

Acca Kappa

Acqua di Genova

Acqua di Parma


Anthousa


Carthusia

Catherine Memmi
Claus

Designers Guild Fragrant Home
Diptyque

Esteban

Exvoto Paris
Hotel Costes
Jacques Garcia Home Fragrances
LBF
Linari

Malin + Goetz
Masaki Matsushima
Miller et Bertaux

Mona di Orio Parfums

Oliver Durbano
Parfums Delrae

Robert Piguet

Saboaria Confiança
Saboaria Portugueza

Shiseido

Tann Rokka
The Different Company

Ulrich Lang New York





E AINDA:




Davide Medri

Deep Design

Established & Sons
Missoni Home

Piet Stockmans

Venetia Studium


segunda-feira, maio 04, 2009

DDN 09 - Santa Pelada em Santa Teresa










Meus caros amigos DDN09





email de Dariush


Dariush em 2008, chutando o balde, na Presidente Vargas com Rio Branco - RJ.

Oi Rubens feliz dia do nada
nao estou mais em america latina
vou pasar este DDN num aviao voando de inglaterra ate nova zelandia, pasando por bangkok e australia
assim paso o dia fazendo nada, sentado, mas ao mesmo tempo fazendo muito - viajando a alta rapidez
e nao apenas vou estar num estado de grande contradictorio nada, mas tambem efictivamente vou estar em nenhum lugar
um grande abraço
Dariush

sexta-feira, maio 01, 2009

importante!



Rubens................O SER E O NADA ........é do SARTRE..........do HEIDEGGER é o SER E TEMPO


RP.

quinta-feira, abril 30, 2009

emails...

faz uns vinte minutos que sai duma reuniao de organização da conferencia de igualdade racial, e a cara dos participantes qd ouviram eu dizer que não contem comigo na segunda-feira, pois na segunda eu não faço nada pois os artistas comemoram a segunda-feira pós primeiro de maio como o dia do nada, foi hilariante...

terça-feira, abril 28, 2009

MORRO DOS PRAZERES

SEGUNDA TEM FUTEBOL NA QUADRA DA RUA ÁUREA, EM SANTA TERESA, RJ ESTREANDO BOLA NOVA.

O NOME DAS COISAS NÃO SÃO AS COISAS

E O NILTON PINHO DISSE QUE FICAR NA ESQUINA PARADO SEM FAZER NADA É PODER, TAMBÉM.

sexta-feira, abril 17, 2009

FRASES NADISTAS (one more time)

"o silêncio é grávido de sons" - cage

a inércia é o princípio da ação

o caminho do meio no meio do caminho

"o silêncio é o começo do papo" - arnaldo antunes

"a luz nasce da escuridão" - gil

a cultura se desenvolve no ócio

paul lafargue: ‘‘O Direito à Preguiça’’

zen budismo: o nada como o nirvana, o absoluto. A (não) ação como parte da ação.

existencialismo: o Ser e o Nada (heidegger)

"Um dia pra vadiar" - vinícius

"hoje é segunda-feira e decretamos feriado..." - raul e p c

"eu vim aqui foi pra vadiar” - música de capoeira

“eu não tenho nada a dizer, no entanto já o estou dizendo” - john cage – in discurso sobre o nada

“nada/ou quase/ pouco/ o poema/ faz-se” - augusto de campos

“no vazio cabe tudo” - folheto apócrifo

“nada é nada. tudo é tudo.” - cartola anônimo

“o nada é tudo” – marcão kareca

“tudo é nada” – niilista de plantão

“a máquina de fazer nada não está quebrada” - arnaldo antunes

“nada melhor do que não fazer nada” - rita Lee

“é sempre bom lembrar, um copo vazio, está cheio de ar”. - chico e gil

“a preguiça é a mãe do progresso. Se o homem não tivesse preguiça de caminhar não inventaria a roda”. - mário quintana

“o ócio é o fermento da cultura” - domenico de masi

“pensando bem, amanhã eu nem vou trabalhar” - r c

“quem inventou o trabalho não tinha o que fazer” - zé carioca

“um dia na moleza vale mais que mil dias de batente”

“antes um péssimo dia de pesca do que um dia bom dia de trabalho”

“o trabalho é o ópio do povo”

“os trabalhos com o dicionário partiram de abstrações de coisas particulares (como água) para abstrações de abstrações (como significado). interrompi a série do dicionário em 1968. a única ‘exposição’ que já foi feita dessas obras aconteceu no ano passado, em los angeles, na gallery 669 (agora fechada). a mostra consistia na palavra ‘nada’ retirada de cerca de uma dúzia de vários dicionários diferentes.”

kosuth – arte depois da filosofia 1969

12 mendigos estavam deitados no gramado quando um homem ofereceu dinheiro àquele que fosse mais vagabundo entre eles. 11 logo se levantaram, dispostos a disputar a grana. Ganhou o que continuou deitado.

“elogio ao ócio” – Bertrand Russel


PRIMEIRA SEGUNDA DE MAIO

DIA 04 - 05 - 2009

ONDE VOCÊ ESTIVER

por que não...? é mole

Raspar a cabeça

Ficar nu

Tomar suco de nada em garrafa vazia

Levar uma cama e deitar de pantufas e cobertores na praça

Levar livros, revistas e gibis para ler em locais públicos

Fazer um pic nic, onde der vontade

Ficar de estômago vazio

Tirar letras de livros, recortar o miolo dos livros

Levar redes de dormir e convidar pessoas para fazer nada lá

Costurar redes de pesca inventando furos e buracos

Ficar boiando no rio

Levar piscininha e nadar no nada em um local bem mvimentado

Fazer esculturas com gelo

Elaborar cartazes e camisetas com o tema e sair por ai dando banda

Fazer um cd contendo o som do nada

Entregar filipetas do Zé carioca com frases nadistas

Fazer concursos para ver quem ganha o troféu “mosca morta” – um cubo de acrílico imitando gelo, com uma mosca dentro

Chutar o balde das coisas que você não suporta mais na sua vida

Nada na cabeça: Levar máquina de raspar cabeça e oferecer para as pessoas rasparem

Incorpor o vazio: Quem ficar mais tempo sem comer ganha um vale refeição

Ficar cego, surdo e mudo durante quanto tempo for capaz.

Comer maria mole

Hein?

quinta-feira, março 19, 2009

convocatória geral

Sócios, parceiros, cúmplices, admiradores...
Está no ar a campanha pelo Dia do Nada 2009, que acontecerá, infalivelmente (nem sempre, às vezes há vários DDN fora do DDN), na primeira segunda de maio, ou seja, dia 04, neste ano.
Quem tiver interessado em aderir e tiver a fim de fazer uma performance, intervenção, pintura, trabalho para a rede, texto, cinema, teatro, prosear, o que for, entre em contato comigo, ok? Ou comentem por este blog que entrarei em contato.
Um mote legal para esse ano é a tal da crise, repercutindo no trabalho e no emprego, justo no ano do boi - conhecido trabalhador - no horóscopo chinês. Mas cada um pode - e deve - fazer seu NADA do jeito que quiser, como quiser, até fazer NADA que, aliás, é o que move nosso evento.
Muitos abraços

terça-feira, março 17, 2009

SLOGAN 2

dia do nada no ano do boi:
trabalhando duro em defesa da vagabundagem

domingo, março 15, 2009

DDN 2009

POUCO TRABALHO
MUITA MAROLA
DIA DO NADA 2009


ma.ro.la

  1. ondulação da superfície marítima.
  2. (Regionalismo - Brasil) pequena onda do mar.
  3. (Figurado) tumulto, alvoroço.
  4. (Gíria) cheiro exalado por um cigarro de maconha.

reflexões

Como sugere Merleau-Ponty, a arte é aquele trabalho que concretiza a presença habitada
por uma ausência que não cessa, por um aspirar ao que não se conhece, por uma plenitude
nascida de um vazio e de um instante de prazer, de uma carência, pois é no vazio
determinado em que “algo” falta que a arte surge como promessa. E é o “volume” do que
há ainda para ser dito que chama o artista à necessidade de preenchimento desse vazio,
transpassando à força de qualquer vivido, uma vez que sempre “algo de indizível sustenta
por dentro o dizível”. Há sempre uma parte muda, furtada, inapreensível em nós que
subsiste enquanto necessidade premente do dizer.

parte do texto Poesia com dromos: “À” de Luis Andrade - O encontro-reflexo dos dois lados do espelho, de Ana Paula de Miranda
in Concinnitas 13, dez. 2008 - Revista da pós graduação em Artes do Instituto de Artes da UERJ

terça-feira, janeiro 06, 2009

videozito

http://tvuol.uol.com.br/#view/id=filosofiadialogo-entre-platao-e-aristoteles-acerca-do-nada-04023966C8915326/user=xgzhj84w45eg/date=2009-01-04&&list/type=tags/tags=4893/page=5/

dá um crtc aqui e cola com crtv na janelinha lá encima para assitir o diálogo entre platão e aristóteles sobre o nada